terça-feira, 29 de julho de 2008

14.11.2001 - 29.07.2008


A leishmaniose canina é uma doença grave e frequente, embora pouco conhecida pelos donos dos cães.
A transmissão da doença é feita através da picada de um insecto, tipo mosquito, que pode ser fatal para os cães. Considera-se que todo o território português tem a presença destes insectos mas as zonas com maior risco de contaminação são Lisboa, Setúbal, Trás-os-Montes e Alto Douro, a Beira Interior, grande parte do Alto e Baixo Alentejo e o Algarve.
Nalgumas regiões a leishmaniose aumentou mais de 100%, no período de menos de 10 anos, e outras regiões, onde anteriormente o risco de infecção era reduzido, passaram a apresentar um risco significativamente maior.
A leishmaniose não tem cura definitiva e existem vários tipos de manifestações. A altura do ano mais preocupante é durante a Primavera e os sintomas demoram em média três meses a revelelarem-se. É importante uma visita regular ao veterinário, quanto mais depressa for diagnosticada mais fácil é a recuperação.



A leishmaniose levou a minha cadela, Maggie, os sintomas começaram na segunda semana de Julho, fraqueza, gengivas brancas devido à falta de circulação sanguínea e olhos dilatados (para além destes há muitos outros sintomas variando com o tipo de leishmaniose), levámo-la ao veterinário e não voltamos com ela, ficou lá até hoje, onde a decisão de a abater foi inevitável.

Seis anos,oito meses e quinze dias. Tudo se resume a isto.
Foste presente de anos, dos meus dez anos, lembro-me como se fosse ontem. Cheguei a casa e vieste tu com os teus três meses e três quilos, acompanhada de baba e de um laço enorme vermelho à volta do pescoço. Ficam comigo as melhores memórias e o reconforto de saber que estás melhor agora do que antes estavas.

Carolina

2 comentários:

Mike disse...

:( rip

Filipa Correia disse...

Agora és tu e as boas recordações dela que trazes contigo.
Beijos,
FC